A queda é um dos problemas mais recorrentes na população de idosos e pesquisas do Sistema Único de Saúde (SUS) mostram números bastante elevados de investimento das pessoas em tratamentos relacionados a fraturas decorrentes de queda. É comum observar fraturas graves que comprometem a qualidade de vida do idoso a longo prazo devido a tombos, muitas vezes em situações que poderiam ser consideradas de baixo risco inclusive.

As quedas podem estar relacionadas a aspectos desfavoráveis no ambiente externo, como piso molhado, calçadas com buracos, baixa iluminação, ou a questões ligadas diretamente a pessoa como falta de força, equilíbrio e outras debilidades do corpo. Nestes últimos casos, as quedas são sintomas de que algo referente à saúde do idoso não está completamente bem e precisa de atenção especial. Esse problema não pode ser ignorado uma vez que fraturas na estrutura óssea em idosos tem grandes chances de complicações maiores.

 Em avaliações de postura para identificar a causa de tombos em idosos normalmente são diagnosticados problemas no equilíbrio e na pisada. Testes de baropodometria são capazes de detectar alguma disfunção relacionada a saúde dos pés.

Nos casos em que fica comprovada a causa do tombo relacionada a pisadas inadequadas, o tratamento é o uso de palmilhas biomecânicas que irão alinhar os pés e consequentemente melhorar a postura corporal como um todo e o equilíbrio.

As palmilhas biomecânicas são projetadas de maneira personalizada para o caso de cada pessoa e sua necessidade específica. Quando usada adequadamente a médio e longo prazo, as palmilhas proporcionam benefícios inúmeros, entre eles, a prevenção da queda entre os idosos devido a falta de equilíbrio e má pisada evitando por consequência fraturas ósseas, prejuizos musculares e demais complicações.