Ao ficarmos em pé, podemos sentir o corpo estabilizando, pois o equilíbrio se inicia pelos pés. O que a podoposturologia faz é orientar o centro gravitacional, ajustando os estímulos neurológicos para esta nova posição. O paciente fica em média 45 dias com a nova palmilha, que deve ser usada de 10 a 12 horas por dia, e então retorna ao especialista para avaliar a evolução do tratamento. Nesse período, já houve modificações profundas na planta dos pés, melhorando os principais sintomas e queixas.

visao-clusao-postura

Traumatismos nos pés, entorses de tornozelo, uso de sapatos inapropriados ou perturbações vindas dos olhos ou dentes são fatores que levam os pés a sofrerem modificações de posição e, assim, desequilibrar o sistema postural. “A planta do pé é rica em receptores sensoriais que detectam as pressões na pele e as tensões que ocorrem nas articulações dos pés e tornozelos. A visão e a oclusão dentária também se refletem no equilíbrio do sistema postural”, explica Dr. Victor Marcassa.

A economista Vera Lúcia Guimarães, de 52 anos, que sofria de tendinite nos dois tendões de Aquiles e apresentava problemas de ATM, encontrou na reeducação postural através de palmilhas a solução para seu sofrimento. “Sentia tanta dor que não conseguia colocar os pés no chão. Agora, usando as palmilhas e uma placa relaxante para conter a ATM, posso até praticar atividade física e me sinto renovada. Sou a maior garota propaganda desse tratamento”, ressalta a economista, que diz também ter recuperado o humor e a disposição.

Fonte: Revista Corpore

http://revistacorpore.com.br/materias/reabilitacao/podoposturologia/tratamento-com-palmilhas